Relatório da CEE foi fundamental para a decisão da Prefeitura sobre a obra do Ribeirão Verde

A decisão de rescisão de contrato com a empresa responsável pelas obras da entrada do Ribeirão Verde foi embasada no relatório final da Comissão Especial de Estudos (CEE) presidida pelo vereador Alessandro Maraca, a informação foi dado por Anderson Ferreira da Silva, presidente da Comissão Processante do Executivo, que culminou com a rescisão contratual com a empresa PRIME Infraestrutura, vencedora da licitação em 2016.
Na tarde desta segunda-feira (16), foi realizado uma reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar medições, pagamentos, notificações e descumprimentos contratuais das obras da avenida Antônia Mugnatto Marincek.
Foram ouvidos, Anderson Ferreira da Silva Presidente e Ailton Vieira de Souza Leite, engenheiro fiscal da Secretaria de Obras.
Outra informação importante é que talvez uma nova licitação não precise ocorrer, o que adiantaria o processo em 90 dias que seriam necessários para uma nova licitação; pois, as duas outras empresas que ficaram em segundo e terceiro lugar, respectivamente, já foram acionadas e mostraram interesse.

Pela Lei existe um prazo de 10 dias para que uma das empresa possa demostrar interesse em assumir a obra, que tem somente 8,5% concluída (1% neste ano).
‘’Nosso trabalho rendeu frutos, mas a Prefeitura esperou demais, pedimos e rescisão no mês de Junho em nosso relatório final (da Comissão De Estudos), o poder público precisa olhar mais pelos moradores do complexo do Ribeirão Verde, com o tempo deles e não do Governo, pois são os moradores que sofrem todos os dias para entrar e sair do complexo, um descaso com a população, agora é lutar para que tudo seja retomado o quanto antes‘’ disse Maraca.

Reincidente
Já não é a primeira vez que a Prefeitura rompe contrato com a Prime Infraestrutura, a empresa já havia sido autuada seis vezes por atrasos nas obras do PAC no Jardim Itaú e, por isso, foi multada em R$ 291 mil e teve o contrato rompido pelo Palácio Rio Branco em janeiro de 2016.cpi